Translate

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Casa Antiga. Lavras do Sul.RS.2018. Cidades nº 170 n que visitamos nesse nosso Rio Grande.


Lavras do Sul é realmente um achado, cidade com uma beleza arquitetônica rara no estado, ainda mais pelo bom estado de conservação das casas. Um encanto de cidade!

____________________________________________________________________________

A Cidade:

Lavras do Sul e a terra do ouro
Existiu uma época no Brasil chamada corrida do ouro, iniciada em 1693 com o surgimento das primeiras jazidas, no estado de Minas Gerais. No Rio Grande do Sul, o ouro foi descoberto no final do século XVIII, despertando as atenções do país.
Surgiu da existência das ricas jazidas de ouro, a cidade de Lavras do Sul o único município do Estado surgido e formado em torno deste mineral. Há uma identificação de mais de 250 anos com a mineração, o que fez com que Lavras recebesse a fama de “Terra do Ouro”.
As terras lavrenses pertenciam, originalmente, a Rio Pardo, e depois a Cachoeira do Sul e a Caçapava do Sul. Documentos mostram que, durante a Revolução Farroupilha, em 1835, Lavras acabou por tornar-se quarto distrito de Nossa Senhora de Assunção de Caçapava (atual Caçapava do Sul). Este distrito englobava também os atuais municípios de São Sepé e Santana da Boa Vista.
As obras iniciais do município foram consolidadas a partir de 1849, com as primeiras construções de alvenaria que não obedeciam a um traçado urbano regular.
A fundação de Lavras do Sul ocorreu no dia 9 de maio de 1882, em uma terça-feira, com a denominação Vila de Santo Antônio das Lavras. Esta data é considerada a emancipação oficial do Município. Após 56 anos, em 1938, recebeu a condição de cidade.
O nome oficial de Lavras do Sul foi definido em 29 de dezembro de 1944. O curioso é que o nome da cidade quase se tornou Araíuba que significa (“lugar do ouro”), por conta de um decreto do Governo na época, que disciplinava os nomes das cidades de acordo com suas origens e descendências, ideia que acabou sendo engavetada.

O Garimpo

A primeira grande companhia de extração de ouro surgiu no Município em 1875, a Gold Mining Company, de capital inglês, responsável por um grande crescimento e progresso. Funcionou por mais de uma década, tendo os minerais extraídos no solo lavrense eram cotados como capital na Bolsa de Valores de Londres.
"No fim do século XVIII já havia garimpagem na região. A tradição conta que nos primórdios da mineração foi descoberta uma grande pepita de ouro com o formato da imagem de Santo Antônio, num remando do arroio Camaquã, que hoje banha a cidade. Por essa razão aquela garimpagem recebeu o nome de Santo Antônio das Lavras ficando como padroeiro da localidade o milagroso santo."

A Lenda e o inicio da colonização

Segundo a lenda, que pode ter dado origem à cidade, um garimpeiro teria achado uma pepita grande de ouro com o formato da imagem de Santo Antônio, às margens do arroio Camaquã das Lavras. Espalhada a notícia sobre a ocorrência desse mineral na região, muitos aventureiros perceberam a semelhança do solo local com as terras de Mato Grosso e Minas Gerais. Em 1796, a primeira descoberta de ouro em Lavras aconteceu, dando origem ao início da colonização do município e à exploração da mineração aurífera. Há registros de que o ouro do território onde hoje localiza-se o município foi explorado por europeus e canadenses. Embora o povoamento tenha se estabelecido em 1825, além dos ingleses e canadenses, belgas, espanhóis, portugueses, índios e bandeirantes paulistas já estavam na região, atraídos pela quantidade de ouro existente.

Terra do Ouro

As disputas pelas terras conquistadas por Portugal e Espanha originaram tratados de limites como os de Madri e de Santo Ildefonso que tiveram suas linhas determinadas em documentos e posteriormente demarcadas, pois a linha do Tratado de Santo Ildefonso curiosamente faz uma curva sobre o território do município e as linhas dos dois tratados unem-se justamente sobre o território de Lavras, formando assim um vértice histórico.
Lavras do Sul é o único município gaúcho com origem na mineração e na extração de ouro, através de um acampamento mineiro situado às margens do arroio Camaquã da Lavras (um dos cursos d'água formadores do Rio Camaquã, que desemboca na Laguna dos Patos) surgido para a exploração das pepitas de ouro depositadas naturalmente no leito do rio.
Com a exploração aurífera, formou-se um núcleo populacional que deu origem à cidade, desmembrada originalmente das terras de Rio Grande e Rio Pardo. Emancipou-se de Caçapava do Sul, em 9 de maio de 1882, através da Lei Estadual Nº. 1364. É, por ordem de criação, o 54º município gaúcho.
O nome da cidade deriva da divisão de glebas destinadas à mineração (lavra) do ouro. Ao nome "Lavras" adicionou-se a expressão "do Sul", por já existir um cidade denominada Lavras, em Minas Gerais. Surgiu assim a eterna “terra do ouro”.
Texto: Diones Franchi- memoriasdopampa.blogspot.com.br

Atrativos Turísticos:

Carnaval:


Com quase oito mil habitantes, o município de Lavras do Sul é um pacato recanto situado entre a campanha e o noroeste gaúcho, que em fevereiro se transforma.

Banhada pelo Rio Camaquã, a cidade, onde nasceu o ator Paulo José, mestre dos palcos, promove um dos mais antigos carnavais do país, festa que já tem mais de 100 anos de história.

E exatamente por ser uma autêntica manifestação dos lavrenses, que a folia local tem tanta longevidade. As primeiras manifestações carnavalescas em Lavras remontam o começo do século passado.
Fonte:ocorreio.com.br

Praia do Paredão- Camping Zeferino Teixeira:

Camping Municipal Zeferino Teixeira, lugar preferido dos turistas, além da maravilhosa Praia do Paredão, banhada pelas águas do Camaquã, o camping oferece áreas de lazer como playground para crianças, espaços para acampamento, quadras de areia e cabanas equipadas com banheiro e churrasqueira. 

Fonte: Secretaria de Turismo-Lavras do Sul
Fone: (55) 3282 1239 / 9652.4717
turismodelavrasdosul@outlook.com

Casa de Cultura de Lavras do Sul:

Praça das Bandeiras:

Igreja Matriz de Santo Antônio:

Arquitetura portuguesa da primeira metade do século, com pinturas sacras à óleo no teto do altar, feito em madeira de lei no estilo barroco
Fonte:lavrasdosul.rs.gov.br

Gruta Nossa Senhora de Lourdes:

Santuário de Santo Antonio:

Patrimônio Arquitetônico:

História:

Lavras do Sul, a cidade, originou-se de um acampamento mineiro instalado às margens do Rio Camaquã para exploração das pepitas de ouro depositadas no leito do rio, antes disso, no entanto, há registros de que o ouro do território onde hoje é o município, foi explorado por portugueses e espanhóis.

O território do Município pertenceu inicialmente aos municípios de Rio Grande e de Rio Pardo quando a província de São Pedro possuía apenas quatro municípios ( Santo Antônio da Patrulha , Rio Grande , Rio Pardo e Porto Alegre) , depois fez parte do território de Nossa Senhora da Conceição da Cachoeira , com o passar do tempo passou a pertencer ao território de Caçapava e finalmente em 9 de maio de 1882 passou a categoria de Vila com o nome de Santo Antônio das Lavras, formada por territórios dos municípios de Caçapava do Sul e Bagé. Em 1938 passa à categoria de cidade com o nome de Lavras do Sul.

As disputas pelas terras conquistadas por Portugal e Espanha originaram tratados de limites como os de Madri e de Santo Ildefonso que tiveram suas linhas determinadas em documentos e posteriormente demarcadas, pois a linha do Tratado de Santo Ildefonso curiosamente faz uma curva sobre o território de nosso município, justamente sobre o distrito aurífero deste; e, as linhas dos dois tratados unem-se justamente sobre o território do município de Lavras do Sul, formando um vértice histórico.

Os jesuítas comandando um grupo de índios construíram em terras do Segundo Distrito de Lavras o Povoado de Santo Antônio, o Novo, que desapareceu por conta das guerras guaraníticas. Houve em nosso território a Batalha do Jaguary onde conquistadores e índios pereceram.

O Visconde do Serro Formoso, Francisco Pereira de Macedo, em 1865, recebeu o Imperador Dom Pedro II e sua comitiva que rumavam para Uruguaiana por ocasião da Guerra do Paraguai, em sua fazenda com uma banda composta por 60 escravos que tocaram o Hino Nacional Brasileiro. O Imperador que ia verificar a movimentação das tropas foi surpreendido pelo ato do cidadão lavrense que alforriou 50 de seus escravos para que fizessem parte do Exército Nacional, bem como quatro de seus filhos engajaram-se às tropas, forneceu ainda uma boa quantidade de cavalos crioulos para que servissem de montaria à tropa, por conta de que, recebeu do imperador o título de Barão, e depois, Visconde de Serro Formoso.

Foi pioneiro, o Visconde de Serro Formoso, na libertação de seus escravos tendo alforriado a todos em 1884, quatro anos antes da Abolição da Escravatura através da Lei Áurea.


Fonte:https://pesquisandocidades.blogspot.com.br/2017/11/lavras-do-sulrs-terra-do-ouro-e-do.html?view=magazine

Casa Antiga. Lavras do Sul.RS.2018


Prédio estilo Colonial.Lavras do Sul.RS.2018


Carnaval. Lavras do Sul.RS.2018